Yuri On Ice não foi importante apenas para a comunidade LGBT+, mas para animes em geral

Após o lançamento de Yuri On Ice em 2016, a MAPPA reconheceu que a série de 12 episódios não gerou muitos lucros para o estúdio de animação.

Animes AC

A comunidade LGBT+ do anime foi abalada pela notícia do cancelamento de Yuri On Ice: Ice Adolescence. O filme, anunciado em 2017, um ano após a estreia do anime, enfrentou atrasos comunicados em 2019 e permaneceu sem atualizações até abril de 2024, quando o cancelamento foi finalmente confirmado. A série, que ganhou popularidade especialmente entre os fãs de animes de romance entre garotos, conhecidos como BL, destacou-se durante o Mês do Orgulho, embora muitos não percebam que o anime vai além da representação LGBT+.

Após o lançamento de Yuri On Ice em 2016, a MAPPA reconheceu que a série de 12 episódios não gerou muitos lucros para o estúdio de animação. Embora esse fato tenha sido mencionado há anos e não esteja oficialmente vinculado ao cancelamento do filme, ele parece ser uma justificativa plausível. Os fãs podem argumentar sobre o potencial sucesso do filme e criticar a MAPPA por falta de visão; talvez estejam certos. Contudo, a realidade é que o anime não teve um bom desempenho em vendas.

Isso reflete sinceramente o sentimento da comunidade de anime em relação à série. Atualmente, o gênero BL ainda é considerado de nicho. Essa característica, aliada ao fato de que o gênero esportivo também é de nicho, pode explicar as baixas vendas. A série ganhou destaque principalmente pelos elementos de romance BL, mas além da representação de homens gays, Yuri on Ice contribuiu significativamente para o mundo dos animes em geral.

Yuri On Ice levou os animes esportivos a um novo nível

  • O primeiro anime esportivo foi Mach GoGoGo, conhecido no Ocidente como Speed Racer – foi lançado no Japão no outono de 1967.
  • O protagonista de Speed Racer, Mifune, tem 18 anos.
  • Em 1928, o curta-metragem de animação Animal Olympic Games foi produzido.
  • O primeiro mangá esportivo foi Igaguri-Kun, uma série sobre judô lançada em 1952.
  • Um estudo de 2023 descobriu que os esportes mais populares no Japão são beisebol (33,2%), futebol (25,2%), vôlei (10,2%), patinação artística (9,9%) e basquete (8%).

A ênfase em esportes nos animes não era uma novidade em 2016, pois os animes de esporte são produzidos desde o final da década de 1960. Desde o início, o gênero focou nos esportes mais dinâmicos, como corridas de automóveis, beisebol, basquete e boxe, que têm sido predominantes na tendência dos animes esportivos. A maioria dessas séries destacou temas como trabalho em equipe, disciplina, dedicação, competição e aspirações. Yuri on Ice aborda muitos desses temas e tropos esportivos, porém de maneiras inovadoras e críticas.

Imediatamente, “Yuri on Ice” se distingue da típica narrativa esportiva ao focar na patinação artística. Sendo um dos esportes mais admirados no Japão, a patinação artística vai além da força física dos atletas; é sobre a combinação de condicionamento físico com expressão artística para entregar a mais emocionante das performances. A série, ao enfocar em patinadores solo, coloca um holofote ainda maior na luta interna e na resiliência do personagem. No gelo, eles não enfrentam apenas adversários, mas também seus próprios desafios pessoais.

A singular ênfase do anime em atletas que utilizam a expressão como sua força e que assumem a responsabilidade pelo próprio fracasso é o que faz com que ele se destaque. Isso é reforçado pelo desenvolvimento impecável do protagonista e de outros personagens principais. Mesmo se Yuri on Ice fosse somente sobre personagens sendo reconhecidos por sua expressividade, ainda assim seria cativante, mas o anime vai além, buscando precisão no desempenho de cada um. É um dos raros animes que oferece aprendizado para atletas, e muitos patinadores no gelo já incorporaram as performances de Yuri em suas competições oficiais.

O espectador sente como se estivesse assistindo a uma autêntica competição de patinação no gelo devido à precisão do anime. A ausência de truques comuns em outros animes esportivos é uma mudança refrescante que presta verdadeira homenagem ao esporte retratado. Focando na trajetória do personagem Yuri, os elementos fundamentais de disciplina, esforço, competição e sonhos estão presentes em Yuri On Ice, porém o anime aborda esses aspectos da história com delicadeza e intencionalidade.

Yuri não vence competições apenas por ser o protagonista. Os episódios iniciais se concentram em seu treinamento e nas adversidades que ele supera para se destacar. Isso destaca a disciplina e o esforço mental, além de proporcionar um aprofundamento no personagem de Yuri por dois motivos cruciais. Primeiro, revela ao público o que é preciso para se tornar um patinador de gelo de elite. Segundo, oferece um desenvolvimento de personagem exemplar, que é indiscutivelmente o elemento mais vital do gênero esportivo – assistimos a competições, reais ou fictícias, porque nos importamos com os competidores.

Sem dúvida, Yuri on Ice foca na competição de uma maneira mais saudável e séria do que a maioria dos animes esportivos. O clichê nos animes esportivos é que frequentemente existe um rival malévolo com poucas características redentoras que o protagonista precisa superar. Isso é observado em séries ao longo das décadas, como em Initial D (1998), Hajime No Ippo (2000), Prince of Tennis (2001), Eyeshield 21 (2005), Kuroko No Basket (2012) e Sk8: The Infinity (2021). Em 2016, Yuri on Ice foi um dos raros animes esportivos a quebrar o padrão de competidores hostis.

Neste anime, a competição não é apenas sobre ser o melhor por si só, nem se trata de uma luta entre o bem e o mal. É sobre a criação de algo artístico que emerge de uma introspecção profunda, movida pelo amor ao esporte, onde cada atleta compartilha uma paixão igual pelo skate. Os competidores muitas vezes são amigáveis entre si ou aprendem a desenvolver essa amizade. O personagem rival, também chamado de Yuri, inicialmente hostil, evolui para se tornar menos agressivo, buscando um equilíbrio entre técnica, força e expressão, graças à elegância da patinação no gelo.

A competição também é destacada como uma experiência esportiva singular que transporta os fãs de anime para além das disputas locais. No mundo da patinação no gelo, existem inúmeros torneios internacionais. Mesmo antes de Yuri competir globalmente, seu treinador Victor já introduz uma perspectiva mundial ao anime. Victor, um patinador russo campeão olímpico, e ao longo da série, personagens de países como Rússia, Cazaquistão, Tailândia e Itália são apresentados, enriquecendo a narrativa com sua diversidade cultural.

O tema dos sonhos é um elemento crítico em toda a narrativa e uma das razões pelas quais o arco de desenvolvimento do protagonista é tão essencial. A apresentação das grandes e intimidadoras ambições de Yuri é o que torna o anime tão motivador – como se espera de qualquer anime esportivo. Embora a narrativa do azarão seja comum, especialmente em animes e no gênero esportivo como um todo, é o desenvolvimento cuidadoso dos personagens principais que faz essa parte do anime se destacar como um sucesso singular.

Uma separação envolvendo personagens imaturos.

  • A idade média dos protagonistas de anime é de 10 a 16 anos em todos os gêneros.
  • A faixa etária média dos atletas esportivos é de 20 a 30 anos, o que representa 36% da população de atletas.

A maioria dos animes costuma apresentar personagens menores de 18 anos, refletindo a noção de que são voltados para um público mais jovem. No entanto, Yuri On Ice destaca-se por trazer uma narrativa envolvente sobre jovens adultos, atraente para todas as idades. O personagem principal, Yuri Katsuki, tem 23 anos, seu técnico Victor possui 27 anos, e vários outros personagens significativos têm mais de 20 anos. Segundo a ABC News, a média de idade da equipe olímpica dos EUA é aproximadamente 22 anos. Outras fontes indicam que a idade de 25 anos é o limite superior para a aposentadoria de atletas de patinação artística, sugerindo que Yuri está perto do fim de sua carreira esportiva.

Diferentemente da maioria das séries, Yuri é o competidor mais velho nos torneios que participa, e a preocupação com sua idade é um elemento crítico da história. Fãs mais velhos de animes ou aficionados por esportes não têm que enfrentar os clichês associados a personagens adolescentes. Não existem crises sobre provas de meio de período ou indecisões sobre se tornar profissional ou não. Há também menos drama devido à ausência de personagens imaturos. Até mesmo os personagens mais novos, como Yuri Plisetsky e Phichit Chulanont, de 15 e 18 anos, respectivamente, mostram uma maturidade notável para suas idades. A patinação no gelo, por sua natureza, carrega a expectativa de profissionalismo precoce, portanto, todos os personagens são dedicados ao esporte.

Com foco ininterrupto na patinação no gelo, o anime não desperdiça o tempo do público. Isso não significa que a adolescência não tenha seu lugar no gênero esportivo, mas é refrescante ter um foco maior no esporte em si. Embora cada personagem possa ter suas próprias tramas secundárias e desenvolvimento, os objetivos desses atletas nunca interferem ou retardam os torneios.

A maturidade dos personagens principais é um aspecto refrescante para o público adulto, pois permite que pessoas na faixa dos 20 anos se identifiquem com personagens de idade similar. Embora possa parecer uma ideia óbvia, é reconfortante para os jovens adultos verem personagens enfrentando situações parecidas com as suas. As histórias que abordam o sucesso profissional, a busca pela auto-realização e até a acomodação no casamento são temas que ressoam com o público de 20 a 30 anos. O protagonista, Yuri, é particularmente identificável para essa faixa etária, pois sua jornada para alcançar o sucesso em sua última oportunidade reflete uma pressão familiar a muitos jovens adultos.

A narrativa adolescente pode ser inspiradora, refletindo o sentimento de um mundo repleto de possibilidades à frente. Esses jovens personagens estão em fase de autodescoberta, algo com que muitos na casa dos vinte anos podem se identificar. Por outro lado, a maioria das pessoas entre vinte e trinta anos já tem uma noção de sua identidade e uma definição pessoal de sucesso, buscando apenas realizar suas esperanças e sonhos. Para os jovens adultos em seu percurso, a jornada de Yuri para se tornar o melhor skatista do mundo ressoa profundamente com aqueles que estão forjando seus próprios caminhos profissionais.

O romance traz o gênero BL para fora das linhas laterais

Além de reinventar o anime esportivo e quebrar com a tendência de personagens adolescentes, Yuri On Ice se destaca por sua representação do romance gay. Embora esse ponto já tenha sido discutido anteriormente, vale ressaltar que a representatividade LGBT+ respeitável tem sido escassa no anime por um bom tempo.

Embora muitas séries de amor entre meninos (BL) tenham sido produzidas, a maioria não foca em um romance autêntico; ao contrário, retratam relações não saudáveis que tendem a sexualizar homens gays de maneira exagerada, frequentemente os pintando como predadores e quase perigosos. As lésbicas são representadas nas séries de amor feminino (GL), mas infelizmente, as raras séries existentes sofrem dos mesmos problemas que o BL só superou recentemente. Atualmente, as poucas séries BL que se destacam pelo romance puro incluem No. 6 (2011), Given (2019) e Sasaki e Miyano (2022); Banana Fish (2018) também é notável, embora o romance esteja entrelaçado com outros gêneros, como tragédia.

Nas séries com personagens LGBT+, frequentemente a sexualidade dos personagens é destacada de forma rígida. Curiosamente, My Anime List listou Yuri On Ice sem classificá-lo como BL, o que contribuiu para surpreender os espectadores com o desenvolvimento do relacionamento duradouro entre Yuri e Victor. Isso explica por que o público foi surpreendido por um romance que desafia os clichês do Queer Baiting e outros tropos comuns em BL.

Embora possa ser maravilhoso ter amizades platônicas cheias de química, mas sem romance, o fato de isso ser mais comum em relacionamentos LGBT+ do que em relacionamentos heterossexuais é parte de um problema; existe um desequilíbrio injusto. Geralmente, se dois personagens principais são de sexos opostos, as chances são altas de que eles estarão em um relacionamento, o que pode ser problemático. Se dois personagens principais são do mesmo sexo, é muito mais provável que, sem um rótulo BL ou GL, eles sejam apenas “bons amigos”.

No anime Yuri On Ice, pode ter havido fanservice por meio do personagem masculino Victor, o que é comum em animes e poderia ser visto como mais um exemplo de Queer Baiting. No entanto, o anime desenvolve a relação entre Yuri e seu treinador Victor não só pelo treinamento, mas também para incorporar um romance autêntico entre eles. Victor pode ser intenso em seu relacionamento, mas o flerte diminui após alguns episódios; nada é forçado entre eles, e o romance se desenvolve ao lado do conflito iminente na carreira de Yuri na patinação artística.

TAGGED:
SOURCES:CBR
Share This Article
Sair da versão mobile