Studio Ghibli: Tudo o que você precisa saber sobre o estúdio de animação japonês

Animes AC

As criações de Hayao Miyazaki e Isao Takahata, os fundadores do Studio Ghibli, são perfeitas para escapar para uma atmosfera surreal enquanto se mergulha no melhor da animação japonesa e redescobre as aventuras de Chihiro, Princesa Mononoke e Totoro. Com as produções disponíveis na Netflix em alguns países ao redor do mundo e em breve no HBO Max, aqui está tudo o que você precisa saber sobre o Studio Ghibli antes de começar sua maratona de filmes.

O Inicio do Studio Ghibli

Isao Takahata e Hayao Miyazaki se conheceram na década de 1960, quando trabalhavam para o estúdio japonês de animação Tôei Dôga. Os dois homens trabalharam juntos por mais de uma década, principalmente na animação Heidi. Mas não foi até o início da década de 1980, quando o crescimento da animação na televisão ameaçava a qualidade das produções, que esses dois entusiastas decidiram unir forças para oferecer ao público um longa-metragem de animação de qualidade que não negligenciasse nem a narrativa nem a direção.

Em 1985, surge a primeira colaboração, Nausicaä do Vale do Vento, a adaptação animada do mangá publicado por Miyazaki na revista Animage. Fortalecidos por esse primeiro sucesso e convencidos de que há espaço para longas-metragens de animação de qualidade no mercado japonês, eles montaram um pequeno estúdio de produção nos subúrbios de Tóquio, com a ajuda da editora Tokuma Shoten. Em 1986, O Castelo no Céu foi lançado nas telas, o primeiro filme oficialmente criado pelo Studio Ghibli, agora à frente de mais de 40 produções cinematográficas e de videogame.

O nome do Studio Ghibli

Foi Hayao Miyazaki quem teve a ideia. Um ávido aviador, ele se inspirou no Caproni Ca.309 Ghibli, uma aeronave de vigilância desenvolvida na Itália durante a Segunda Guerra Mundial. O Ghibli também se refere ao ar quente no deserto do Saara, simbolizando o sopro de ar fresco que foi injetado na animação japonesa.

O logotipo

Tendo se tornado a mascote do Studio Ghibli, a figura de Totoro também foi a responsável pelo primeiro sucesso financeiro da empresa. Embora o filme (lançado em 1988) não tenha sido tão bem-sucedido quanto as duas primeiras criações de Miyazaki e Takahata, foram as vendas dos produtos associados (notadamente os brinquedos de pelúcia do Totoro) que os mantiveram à tona, aliviaram suas preocupações financeiras e permitiram que continuassem seu trabalho.

A filosofia

Diferentemente dos estúdios de animação clássicos, o Studio Ghibli nasceu com um único objetivo: explorar as profundezas da alma humana e oferecer ao público japonês e internacional histórias poéticas que traduzissem toda a sua complexidade. Sem uma estratégia comercial internacional, mas sim uma preocupação com integridade e qualidade exemplar, pelas quais suas produções são renomadas.

O maior sucesso do Studio Ghibli

Em 1989, O Serviço de Entregas da Kiki tornou-se o primeiro grande sucesso japonês do estúdio, alcançando o topo das bilheterias naquele ano. Três anos depois, Porco Rosso, quase inteiramente concebido e dirigido por Hayao Miyazaki, destronou Hook e A Bela e a Fera nas bilheterias japonesas. Mas foi A Viagem de Chihiro, o primeiro filme em língua não inglesa a vencer o Oscar de Melhor Filme de Animação em 2003, que dedicou o estúdio ao seu trabalho internacional. Ele sucede Princesa Mononoke, que seria o último filme de Miyazaki antes de sua aposentadoria.

Falência evitada por pouco

Em 1988, apenas dois anos após sua criação, o estúdio ameaçava fechar as portas. Lançado naquele ano, Túmulo dos Vagalumes, uma adaptação da história curta semiautobiográfica de Akiyuki Nosaka, que segue a história de dois irmãos deixados à própria sorte durante a Segunda Guerra Mundial, foi considerado muito duro para o público jovem japonês. Foi graças a Meu Amigo Totoro, lançado no mesmo ano, e seus famosos bichos de pelúcia que o estúdio escapou por pouco da falência.

Um novo filme em produção

Hayao Miyazaki está atualmente trabalhando em um novo projeto, intitulado “Como Você Vive?”. Baseado no romance do escritor japonês Genzaburō Yoshino, está previsto para ser lançado nos cinemas em 2021. Toshio Suzuki, produtor-chefe do Studio Ghibli, explicou recentemente que convenceu o fundador do estúdio a aceitar a oferta da Netflix para transmitir grande parte de seus filmes em sua plataforma, a fim de financiar o projeto. Miyazaki, que em 1998 já anunciava sua intenção de se aposentar, ainda não está pronto para desistir. Enquanto aguardam este novo longa-metragem, os primeiros 21 filmes do Studio Ghibli podem ser assistidos novamente na Netflix e em breve na HBO Max.

Fonte: Vogue

TAGGED:
Share This Article
Sair da versão mobile